Bolívia tende em Haia ‘pontes de entendimento” com Chile, diz Morales | Comércio

En la foto, el presidente de Bolivia, Evo Morales,  el sábado 24 de marzo de 2018, en la inauguración de un teleférico, en La Paz (Bolivia). Foto: EFE

A bolívia foi para o Tribunal Internacional de Justiça (CIJ) para buscar um “entendimento com o Chile” e com o seu crédito marítimo “não busca a revisão do Tratado de 1904”, que definiu os limites territoriais entre os dois países, disse segunda-feira, 26 de março de 2018, o presidente boliviano Evo Morales.

“Viemos para este Tribunal, para construir pontes de compreensão e não de paredes de confronto” com o Chile, disse Morales, no final de alegações bolivianos antes da CIJ , que arbitra-se o centenário de disputa do mar entre estes países. Morales, cujo governo levado a julgamento no Chile em 2013, considerado em uma declaração à imprensa que seu país “o retorno da Bolívia para o mar é não apenas possível, mas é inevitável” e que “a demanda boliviana não é para a revisão do tratado de 1904”. “O nosso caminho para o mar foi marcado pela celebração de acordos, ofertas e práticas, diplomática, que se constitui em actos jurídicos que reconhecer o nosso direito de obter acesso soberano ao oceano Pacífico através do diálogo e da boa-fé de negociação”, disse ele.

A bolívia pediu ao Tribunal para obrigar o Chile, para “negociar de boa fé e em um tempo razoável,” um acesso soberano da costa, que perdeu na guerra de 1879. “Quero estender para o Chile, a mão fraterna Bolívia, este julgamento que está terminando para nos permitir entrar num estado de reflexão e serenamiento”, disse Morales. Em linha com Morales, o espanhol, o advogado que defende os interesses da Bolívia, Remiro Brotons, “formalmente” perante o tribunal de Haia “negociação direta” entre os dois países. A bolívia perdeu na guerra contra o Chile em 1879 alguns 120.000 km2 de território, e a 400 km de costa, seu único acesso ao oceano Pacífico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *