A inteligência artificial é uma tecnologia que aprende com ela mesma, após cometer erros, ela se auto-corrige. É usada diariamente, inclusive nos algoritmos Google. É mais comum e simples do que parece e está evoluindo cada vez mais.

Várias empresas já utilizam robôs e o mundo está mais avançado do que imaginamos. Eles não oferecem riscos à sociedade, porém às vezes acontecem episódios inéditos, como é o caso dessa história do robô que foi contratado para fazer campanha em Moscou.

O Promobot já havia fugido duas vezes de um laboratório na Rússia e ganhou as manchetes. A primeira vez ficou atrapalhando o trânsito, pois foi programado para circular em espaços fechados e ficou completamente perdido. Sua história ficou ainda mais agitada e famosa. Ele arrumou confusão em cenas de polarização política. O assunto está dominando o mundo e na Rússia não foi diferente. Os cidadãos ficaram incomodados com o robô fazendo propaganda política e clamando o nome de um dos candidatos.

Por lá a situação não estava muito diferente daqui. O candidato por quem ficou fazendo campanha política, não é muito popular no seu gosto político. É considerado um ultra-conservador que faz apologia ao ódio racial em suas propagandas políticas. O robô estava fazendo a manifestação na entrada do metrô Sokol.

Pessoas que passavam pela região ficaram incomodadas e chamaram a polícia, que é algo comum que acontece por lá. Os policiais chegaram por lá, mas como o robô é muito mais pesado que uma pessoa, não foi possível usar o método norma de algemá-lo e encaminhar até a delegacia. Os oficiais não sabia o que fazer e o vídeo mostra até mesmo que uma hora começaram a rir.

O robô havia sido contratado para fazer pesquisa de opinião e ao ser citado o nome de Valeriy Kalachev o robô começou a repetir. Um cidadão que não concordava com a visão política do candidato não ficou feliz e por isso fez o chamado. Pessoas que testemunharam a cena disseram que o robô não mostrou resistência à prisão.

Você já parou pra pensar como a tecnologia está cada vez mais inerente ao homem. Fica difícil distinguir um dos outros. A população é dividida entre os nativos tecnológicos, que nasceram junto com a tecnologia, e os imigrantes, aqueles que possuem mais de 30 anos e transitaram entre o período pré-tecnológico e o tecnológico.

Muitos imaginavam o mundo acabando e que a tecnologia ia dominar o homem e acabar com a vida e trabalhos. Porém prova-se o contrário, a tecnologia facilita muito a nossa vida e nos permite ter mais autonomia. Não existem mais mídias que apenas repassam informações, sem a possibilidade de feedback e retorno dos telespectadores. A tecnologia não manda no homem, mas faz com que os homens se unam e possam ter voz.

Lembro que a primeira vez que fiz um cartão, esqueci de pagar minha fatura e tive que ficar horas na fila para  atualizar boletos Itau, hoje fazemos isso com poucos cliques na palma de nossa mão. Lembro que um de meus parentes tinha um celular. Na época os aparelhos não mandavam mensagens, durava pouco a bateria e quando chegava em casa era necessário colocá-lo em uma base similar aos telefones sem fio. Hoje fazemos praticamente tudo com o aparelho celular. Ele funciona como despertador, câmera, computador, vídeo game e muito mais. Você faz tudo o que precisa com um objeto que cabe na palma de suas mãos.

Os projetos para o futuro são ainda mais animadores. O Amazon por exemplo, está fazendo o Mercado do futuro, sem nenhuma fila! Você vai até as prateleiras, pega os produtos escolhidos e simplesmente sai do mercado. Não tem caixas e nem atendentes. A tecnologia detecta automaticamente os produtos tirados e recolocados na prateleira e faz o controle do carrinho. Se quiser, clique no link para ver o vídeo de propaganda.